sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

COMENTÁRIOS DIVERSOS

Meus dias sem poder sair de casa, em razão de uma artrite violenta, são bem aproveitados com a leitura. Muita leitura. Coisa que não fazia há alguns anos por falta de tempo, que era gasto com outras ocupações. Já vivi fases mais intensas como leitor, obviamente. Nunca o suficiente para ler todos os livros que, dia após dia, passo a dispor para o conhecido fim. 
.
Na leitura diária que faço dos blogs, gostei da crítica aos anônimos. Várias vezes, fui alvo desse tipo covarde de comentaristas. Um dos últimos chegou a insinuar que eu lia apenas orelhas e notas de rodapé dos livros. Mais debochado impossível, apelando para questões pessoais (fora do tema que estava em discussão). Alguns blogueiros foram unânimes em postar que sabiam a identidade do infrator do Art. 5º da Constituição (inciso IV), cujo "rabo" é indisfardamente grande. Uma pena que no âmbito da blogosfera, quando tratam do assunto, todos, indistintamente todos, deixam de citar nomes para menor incômodo.
.
O Ruy pergunta: "Quando foste compelido a votar para deputado, para qual missão imaginavas destinados teu candidato?". Assim introduz o assunto de sua postagem, que versa sobre a prática de "guindar parlamentares para ocuparem cargos no Executivo (Secretarias, Ministérios)", tirando da função específica a que fora eleito. Expressa suas dúvidas sobre a correção dessa prática, que o Júlio Prates também alude mais especificamente. Penso que o eleitor ainda não está maduro para reclamar pelo seu voto. Por motivos óbvios, ele acha até lindo. Auguste Comte, em seus arroubos frenológicos, chega a afirmar que a maioria dos seres humanos jamais desenvolverá a parte frontal do cérebro, responsável pelas faculdades superiores.  

.
Outra discussão interessante, necessária para o amadurecimento da sociedade santiaguense, girou em torno do trânsito nos trevos da BR 287, mais precisamente, o Trevo do Batista. Entrei no assunto com a coluna publicada no Expresso Ilustrado desta sexta. Boa discussão, não apenas porque provoca resultados práticos. 

Um comentário:

A. Reiffer disse...

Muito grato, Froilam, pela manifestação de solidariedade. Abraços!