domingo, 6 de agosto de 2017

REFLEXÃO DEPOIS DE UM BAILE

Todo indivíduo tem um espaço próprio, que é só seu por uma necessidade fundamental – a de viver simplesmente. A delimitação desse espaço se dá por intermédio de um “material” flexível, que se expande conforme as pulsões, vontades e desejos individuais, ou se contrai sob as injunções externas. O equilíbrio mais ou menos estável dessas duas forças possibilita a existência de cada um. Qualquer ruptura provocada pelo desequilíbrio coloca o indivíduo em risco de explodir ou de implodir em dado momento. Atualmente, a “zona de conforto”, o espaço acima referido, diminui a olhos vistos, tornando mais imperiosa a relação do indivíduo consigo mesmo e menos importante a relação com o outro. O paradoxo, então, evidencia-se como nunca: individualismo ou convivialidade. A solução continua sendo o amor.