sábado, 20 de dezembro de 2008

VOZES DA MANHÃ


as vozes
movimentam a manhã
numa ciranda
mergulhada em luz
a fala de uma criança
o canto longe
de um pássaro
o latido de um cãozinho
o ronco dos motores
que conduzem
os homens para cima
e para baixo
o vôo de uma mosca
atravessando
a sala clara
o tiquetaque
acelerando o tempo
a fala de uma criança
o canto o ronco
tudo mais uma vez
se repetindo
se repetindo
com um coração
oono centro

2 comentários:

Anônimo disse...

Amigos: Froilan e Dona Irelaine, desejo-lhes felicidades nas festividades que se aproximam!
-Poeta, quando te cutuquei com "tchê poeta que te parece", de certa forma e temperada com salpicos de egoismo no terreno da previsibiliade,já tinha alguns traços da fisionomia de teu retruco, até por saber da tônica como se embrenha de forma inquiridora no mundo da literatura e suas pesquisas. Tenho acompanhado os belos trabalhos de vocês, leio e releio sempre que posso, muito embora com minha ótica leiga. Mas por vezes transpassam, e consigo perceber, notas e tonalidades de suas poéticas estruturais, sentimentos seguros,as vezes inquietantes,questionamentos nobres e formas fortes e audaciosas. Foi uma grata satisfação conhecê-los em Santiago-RS. Um forte abraço literário, saúde, paz e inspiração. Cácio Machado.

dayana pl disse...

em minutos eu vivi uma manhã. Gostei muito.