terça-feira, 11 de março de 2008

LILA RIPOLL

Hoje não é o Dia Internacional da Mulher, mas presenteio minhas adoráveis leitoras com a lembrança de uma poeta (forma preferida a "poetisa") gaúcha, nascida em Quaraí (1916): Lila Ripoll. A propósito, pergunto como uma cidade pequena feito Quaraí, quase isolada nos confins da campanha, pôde trazer ao mundo da arte tantos nomes de destaque nacional: Cyro Martins, Dionélio Machado, Miguel Proença, Luís Meneses, Lacy Osório, Mario Eleú... Lila Ripoll formou-se no Conservatório de Música da UFRGS, mas optou pela poesia. Publicou: De mãos postas; Céu vazio; Primeiro de Maio; Poemas e canções; O coração descoberto; Águas móveis; Antologia poética. A poeta foi presa como comunista em 1964 e morreu de câncer alguns anos depois.
POEMAS DE LILA RIPOLL
000
Realidade
000
Não quero olhar esta manhã
unânime na sua claridade.
Nem ver o pássaro
que se incorpora na paisagem.
00
Reconheço a primavera
mas sei que ela é fictícia.
Que é impostura
seu ar de flor aberta,
com acenos à vida
e à liberdade.
ooo
Não mergulho no céu
e não aceito revoar de arcanjos.
ooo
Não quero nuvens vazias e translúcidas,
nem ventura celeste do vento e chuva construída.

ooo
Tenho o peso terrestre
sobre os ombros.
ooo
Duro.
Lacerado,
decomposto.
ooo
Que quer esta manhã
de claridade anânime?
oo
A hora é triste
e meu poema respira claridade.
ooo
000
Canção de agora
ooo
Ontem meu peito chorava.
Hoje, não.
Também cansa a desventura.
Também o sol gasta o chão.
ooo
Estava ontem sozinha,
tendo a meu lado,
sombria,
minha própria companhia.
Hoje, não.
ooo
Morreu de tanto morrer
a pena que em mim vivia.
Morreu de tanto esperar.
Eu não.
ooo
Relógios do tempo andaram
marcando o tempo em meu rosto.
A vida perdeu seu tempo.
Eu não.
oo
Também cansa a desventura.
Também o sol gasta o chão.
oo
Extraído do livro História da Literatura Brasileira - Da carta de Pero Vaz de Caminha à contemporaneidade, de Carlos Nejar. Ganhei essa obra autografada pelo poeta em novembro de 2007: Para o poeta Froilam Oliveira com o abraço pampeano e amigo de Carlos Nejar.

2 comentários:

Rebeca Sasso disse...

Depois de Tanto tempo... Voltei a postar. E começei bem.

Dá um olhada, deixa teu recado. Alias, vou começar a retomar as leituras dos Blogs! Beijos Froilam! Estou com teu livro, já terminei e amei muito!

Adeuss!

Adriana Parise disse...

Oi!!! Obrigada pelo carinho que tens pelas minhas postagens, sempre gostei de falar sobre sentimentos, coisas que me incomodam e com o blog, encontrei uma maneira de expressar isso sem medo ou vergonha do que estou sentindo. Comecei também a postar mais seguido, tava meia desleixada hehehe. Um grande abraço...